O ser mais famoso que a História registrou sua passagem pela humanidade, foi também o que mais dedicou sua vida em servir aos semelhantes. Não obstante, seu período de estadia por aqui tenha sido relativamente curto, apenas 33 anos. Quem não conhece a história de Jesus! O impacto de suas ações continua influenciando multidões até hoje, dois mil e tantos após sua morte. Essa reflexão dá uma noção da importância do servir (no amplo sentido do termo) ao semelhante em todo o tempo, com empatia e espírito de cooperação. É compreensível que na atualidade, com o ritmo alucinado imperativo na sociedade, raramente seja dedicado algum tempo para compreender e valorizar a importância do servir bem. Por outro lado, o que acontece e, geralmente chama atenção é que, quando se identifica um sério problema em determinado processo, de alguma maneira ele está relacionado a serviços mal feitos. O amor ao próximo, na prática, é traduzido em bom serviço. Daí advém a importância da Orientação para servir.

As grandes instituições buscam incansavelmente aperfeiçoar seus serviços e atendimentos. O profissional do futuro precisa no presente buscar desenvolver as competências que são exigências nas relações de trabalho. Por mais que os meios de produção e entrega estejam automatizados, existe ainda em grande parte, o contato e relação entre fornecedores, colaboradores e clientes. Nesse processo, a qualidade com que o cliente é tratado, faz toda a diferença. Para atender essas demandas e ampliá-las, é uma das condições fundamentais ser e estar bem orientado para servir com qualidade. Em função disso, cada profissional que deseja conquistar seu espaço e deixar um legado, deve estar atento aos aspectos sutis que definem a atitudes do servir.

Considerando as múltiplas definições que se encontram nos dicionários, tanto para a palavra Orientação, quanto para o termo Servir, é possível fazer uma análise capaz de dimensionar a importância da habilidade aqui discutida, no âmbito das relações pessoais, sociais e profissionais. Dentre as exigências que são consideradas como barreiras para o ingresso, permanência e êxito no mercado de trabalho, estão as habilidades que indicam o grau de adaptabilidade do indivíduo aos padrões da organização contratante, ou aos níveis da capacidade de enfrentar a competitividade do mercado, no caso dos empreendedores. Em ambos os casos, a Orientação para Servir, direcionada para o atendimento de excelência ao cliente no antes, durante, e depois, não apenas como uma relação momentânea, mas como um serviço de identificação, dedicação e alternativas às necessidades deste, constitui um diferencial positivo e valorizado no mundo e nas relações de trabalho. Apesar da realidade dinâmica existente no mundo das profissões, com extinções de muitas e o surgimento de outras novas, com requisitos de competências distintas, uma coisa é importante lembrar: a capacidade de servir e servir bem, a cada dia que passa fica mais útil e necessária.

Servir não quer dizer simplesmente prestar um serviço a alguém, e sim ser um profissional com a devida expertise para servir da forma adequada nas diferentes situações e circunstâncias que se apresentam. Orientação, muito mais do que saber o que fazer, significa sensibilidade para saber como atender aos diversos perfis a quem tiver de servir. Além dessa complexidade entre sensibilidade, atitudes e ações traduz-se em estar preparado para se posicionar de forma ética, perante todos que fazem parte de cada evento. A dica de ouro válida nessas situações de relações humanas funciona também aqui. A lei do amor, traduzida para a prática. Tratar os semelhantes da mesma forma como gostaria de ser tratado. Contra essa regra não há lei do Estado, nem do empregador, muito menos da consciência.

Criado por photoroyalty – br.freepik.com